quinta-feira, 7 de julho de 2016

Escola sem partido, partido sem escola




Basta inverter a ordem dos termos para nos darmos conta da falácia do slogan "escola sem partido": escola sem partido, partido sem escola...

A escola sempre foi e sempre será sem partido; aqui no Brasil ainda se pode falar: sem biblioteca, sem professor, sem merenda, sem condições de ensino e aprendizagem, enfim.

"Escola sem partido" é uma boa jogada de marketing para certo setor reacionário brasileiro que pretende manter "tudo como dantes no quartel de Abrantes".

 "O preço da liberdade é a eterna vigilância" (perdão, mais slogans), convenhamos, é aplicado à risca pelos conservadores como se constata no patrulhamento ideológico a que se dedicam com fervor missionário.

A inversão dos termos me ocorreu por dois motivos semelhantes: não temos partidos no Brasil, muito menos escolas, na correta acepção dos termos...

E a pergunta que fica: a quem interessa não termos Escolas e Partidos no Brasil em sendo ambos apanágio da dita modernidade, tão proclamada quanto escamoteada nestas plagas?

Está aí um bom tema para a redação no ENEM, se tiver ENEM...


Porto Alegre, 07 de julho de 2016.

Edu Cezimbra