segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Enfim sós!



"Enfim sós!"

Quem já não exclamou essa expressão altamente romântica repleta de segundas intenções...

Quantos recém-casados não falaram "enfim sós!" em sua lua-de-mel?

Clichê, diria você? Talvez, mesmo assim, consensual nessas ocasiões convencionais...

Além disso, quem mais falaria "enfim sós"?

Um casal de idosos depois que os filhos saíram de casa...

Um motorista e um cobrador depois de muitas viagens em um ônibus superlotado...

Um par de dançarinos de tango depois de uma apresentação em uma casa de espetáculos cheia...

Enfim, só os que lidam em meio a muita gente poderiam usar essa expressão tão "clichê"...

Obviamente, sabemos, que não utilizam o "enfim sós!" nesses momentos.

A não ser que sejam namorados, amantes ou atores em comédias românticas, enfim...

Quem mais?...

Desconfio que um escritor poderia usar a expressão em seu processo criativo ao teclar um diálogo imaginário com seus personagens.

"Enfim sós", todos os que necessitam do silêncio e do isolamento para exercerem a humana função de criador e criatura... 


Porto Alegre, 4 de dezembro de 2017.

Imagem: Google

Edu Cezimbra