sábado, 13 de fevereiro de 2016

Diário de Roma III




Roma, 11/02/16

Hoje retornamos ao Coliseu, ou melhor, passamos ao lado, para visitarmos o Palatino e o Fórum Romano, situados na mesma área.

O Palatino fica próximo ao Circo Massimo, o hipódromo de Roma, a elite romana tinha uma visão privilegiada das corridas de bigas...

Quem olha de fora tem uma ideia unidimensional do Palatino. Quando se entra no parque onde se conservam suas ruínas é que se surpreende com a vastidão deste complexo construido para deleite dos aristocratas romanos. Logo de saída depara-se com um imenso aqueduto, Acqua Claudia, que fornecia água para as piscinas e os banhos em meio a muitas estátuas, colunas e pisos de mármore dos quais ainda restam vestígios espalhados pelo parque e pelo museu.

Estrategicamente situado em uma das partes altas da cidade o Palatino proporciona uma vista privilegiada em seus quatro cantos, ainda hoje, acentuada pelos seus altos muros e imensos arcos. Para onde quer que se olhe temos a vista da maior parte do centro histórico de Roma, podendo-se ver, entre outros. o Vaticano e o Coliseu.

Procurei uma maquete do Palatino, pois me impressionei com a quantidade de edificações em ruínas que percorri. Quando achei, no museu do Palatino, confirmei a minha impressão: era o que hoje se pode encontrar em condomínios ou resorts de luxo, com numerosas residências, templos, piscinas, jardins e espaços de lazer para a nobreza romana.

Também do alto do Palatino podemos ter uma vista única do Fórum Romano. Entre o Coliseu e o monumento à Vittorio Emanuele II estende-se um espaço imenso ocupado por ruas, praças, templos com suas colunas e pisos de mármore que colocam o visitante em uma outra dimensão temporal, tamanho o impacto de se estar nele.

Passamos muito tempo caminhando nestes dois lugares mas ainda tivemos pernas para irmos até a Praça Navona e o Panteão, próximos uns do outro. No Panteão estão enterrados grandes vultos históricos da Itália, mas chama atenção o fato de ser uma catedral católica também, o que não parece ser nenhum problema para os italianos, que mantém o catolicismo como religião oficial do estado.

Entre o Panteão e a Praça Navona pode-se saborear uma deliciosa pizza e depois um gelato dos deuses que dão ânimo para seguir conhecendo mais um pouco de Roma, cidade eterna e cidade oculta ao mesmo tempo:

Roma, cidade eterna
és ao mesmo tempo
Romolo e Remo
loba e cordeiro
esplendor e ruína
fausto e decadência
carros e carruagens
erotismo e castidade
Papa e Pasolini
Olimpo e Vaticano
memória e esquecimento
Amor e Roma,
Roma e Amor.


Edu Cezimbra, no trem para Florença (Firenze)