sábado, 4 de fevereiro de 2017

Escrevo para não ter dor no estômago


Fiquei uns poucos dias sem escrever e voltou aquela dor chata no estômago seguida de náusea (teve uma noite que não consegui segurar o vômito).

Essa dor muito me incomodou até que comecei a escrever todo dia.

Bem melhor vomitar palavras no papel que no assoalho...

Como homeopata sei do quanto o emocional afeta nossa saúde; por isso evito medicamentos químicos pois reconheço seus 'efeitos colaterais',- além de seu 'efeito rebote'.

Portanto nunca tomei remédios para gastrite, não quero vegetar em uma UTI.

A minha prescrição é escrever todo dia.

Certo autor disse 'mais Platão, menos Prozac', digo eu para mim mesmo: 'mais Edu Cezimbra, menos Plasil'...

A minha droga é a poesia ('cachacinha' que faz a vida mais colorida)...

Também ajuda muito escrever à sombra do mato, respirando ar puro, vendo borboletas e um beija-flor esvoaçarem na minha frente.

Enfim, não escrevo para ser lido; escrevo para não ter dor no estômago!


Porto Alegre, 04 de fevereiro de 2017.

Edu Cezimbra