quarta-feira, 5 de abril de 2017

Conto de fadas utópico


Hoje em dia, um escritor de contos de fadas teria sérias dificuldades até para começar uma história.

- Em um lugar muito distante de qualquer cidade havia...

- Como assim?! distante de qualquer cidade?!...gritaria o editor ou mais provavelmente sua voz interior.

- Tá, e por que não?...

- Ora, em que mundo você vive?! Não existem mais lugares distantes de cidades, seja pela quantidade delas, seja pela velocidade dos meios de transporte.

Obviamente,  sempre é possível variar o lugar...

- Ok...ok...vamos recomeçar assim: em um lugar isolado de tudo havia...

- Hahaha... "lugar isolado de tudo", você está desatualizado, hem? Depois dos satélites e da internet o planeta se tornou uma aldeia global!

Depois de coçar a cabeça, levantar da cadeira, andar até a cozinha para pegar um lanchinho o contista tenta de novo.

- Hum...que tal, então: em um lugar desconhecido por todos havia...

- Pára, peraí, assim não dá! Depois do "google maps" não existe mais lugar desconhecido, tudo foi mapeado, até o cafundó do Judas onde o diabo perdeu as botas, não me faça chorar de rir!

Entre desesperado e irritado o contista tenta ser irônico.

- E se ao invés de um lugar eu criasse um "não-lugar"...

- "Não-lugar"? Não-lugar até que soa bem... não, isso é utopia!

- Isso aí, vai se chamar Utopia! Em uma ilha chamada Utopia havia um rei muito bondoso com seu povo mas com um xerife muito cruel que ambicionava seu lugar, e por aí vai!

Observe, caro e raro leitor, que Utopia é o nome de um livro de autoria de Thomas Morus que imagina como seria um reino ideal e o nome virou sinônimo de fantasia, delírio, idealismo, enfim "conto de fadas".

- Aff... não é nada fácil escrever um conto de fadas hoje em dia... 

Porto Alegre, 5 de abril de 2017.

Foto: gravura de Utopia

Edu Cezimbra