segunda-feira, 3 de abril de 2017

De cidades e pessoas


Toda e qualquer cidade tem seus encantos, atrações, peculiaridades e características próprias,- até certo ponto (e época).

Assim como as pessoas, pensou você, perspicaz leitor?

Bingo! A questão que não se deveria calar é por que as cidades brasileiras e as pessoas perderam sua originalidade a ponto de não haver diferença entre elas?

Não falo em comparar as cidades e as pessoas mas em termos descritivos...

Por exemplo as nossas cidades durante e após o "milagre econômico" da ditadura militar passaram a imitar as cidades dos EUA.

Todas, pequenas, médias ou grandes queriam seguir a moda dando-se ares de cidades modernas com muitos edifícios altos (muito altos, preferentemente).

As avenidas e ruas perderam seus antigos calçamentos de pedra substituídos pelo asfalto impermeabilizante.

Muitas praças, parques e ruas tiveram suas árvores arrancadas para darem lugar às calçadas e avenidas de concreto aumentando as ilhas de calor.

As casas comerciais perderam seus charmosos letreiros de madeira ou bronze por imensos anúncios que encobrem fachadas tradicionais na fisionamia da cidade.

Peço perdão pela monotonia da descrição, mas a intenção é essa mesma...

Destacar o quanto nossas cidades tornaram-se monótonas, sem graça e sem personalidade, em especial as cidades mais desenvolvidas economicamente.

Quanto às pessoas, diga-se de passagem, há bastante tempo estão muito parecidas com nossas cidades de concreto em sua rigidez, aceleração, enjaulamento e monotonia.

Não me surpreendem... 

Porto Alegre, 03 de abril de 2017.

Edu Cezimbra