segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Memórias da Terra





O líder indígena Ailton Krenak conta em entrevista ao Museu da Pessoa que aprendia com os pés livres, querendo dizer com os pés no chão, e lembro que me corrigiam quando falava "tô com o pé no chão": “pés descalços”, porque todo mundo anda com o “pé no chão”.

Está aí um bom exemplo do poder das palavras, já que “pé no chão” significa estar em contato com a realidade, uma certa realidade, digamos, “civilizada”...

O “pé livre” de Ailton Krenak e seu aprendizado através do tato, sentindo a terra, seja areia, barro ou matéria orgânica demonstra bem o intuito desta crônica sobre as minhas memórias da terra: "pé livre, cabeça livre" completa ele.

Fui um menino de cidade pequena do interior e muito protegido pela minha mãe. Logo, tinha que estar sempre com os pés presos "em chinelos de dedo", sandálias de couro ou tênis “conga, bamba e depois os cobiçados kichutes” Lembro que até de chinelos de dedo jogava, pois pelo fato de andar sempre com um calçado não conseguia colocar os pés no chão como meus amigos. E dê-lhe a chutar a bola, pedra, guanxuma e terra  com o que estivesse no pé!

Só bem mais tarde fui me acostumar ao contato direto com a terra através de meus “pés livres”, por isso tive meus primeiros contatos com a terra através das mãos. E terra era o que não faltava ao meu redor. Terra e pedra, já que a nossa rua não era calçada. Quando chovia, além do banho de chuva, minha diversão era fazer “atacação” da água da sarjeta com pedras e, já viu, barro... Olha que formava cada lago artificial em frente a minha casa!

Recordo que na esquina da minha rua tinha uma casa abandonada aparecendo aqueles tijolos grandes cimentados com barro, que desconfio tivesse sido escavado e feito ali mesmo. Em dias de chuva formava um barro que era uma “tabatinga” grudenta e uma das diversões da gurizada era salpicar a casa em ruínas com punhados de barro, quando não começávamos a jogar uns nos outros...

Brincar na terra era muito “útil” pois os terrenos em volta da casa ofereciam ótimos materiais para montar miniaturas de cidades, com estradas, casas e já não podiam faltar, os carrinhos. Pessoas eram os soldados e índios do “Forte Apache”.

A nossa casa nesta época era cercada por terrenos sem construção e uma das minhas “iniciativas” foi iniciar uma horta em um dos terrenos com sementes de rabanete que meu pai vendia em seu bolicho. Não lembro se chegamos a comer os rabanetes, já que para minha indignação meu irmão até xixi fez na horta,mas que eu mexia bastante com a terra, isso eu recordo...

Desconfio que este contato com a terra possibilitou a mim uma boa saúde, pois ao contrário de meu irmão e primo, não tinha problemas alérgicos com suas tosses e asmas, que redundavam em cuidados extremados por parte de minha mãe e tia.

Estas memórias da terra na infância ajudam-me a sentir , hoje, adulto e avô o quanto foi bom para meus filhos e netos terem esta oferta de aprendizado com a terra, já que minha companheira também tem boa memória telúrica por sua infância e adolescência terem sido em um sítio onde ainda hoje vamos passar uns dias em visita a sua mãe e irmãos.

Amassar o barro para uma biocontrução é uma memória da terra mais recente, mas que evoca muito esse fundamento de quanto nos humanizamos em contato direto com ela.

E você, já pisou na terra hoje com os pés livres?...

Edu Cezimbra, verão de 2015.