sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Onde andará a menina que lia?


A revolução cultural que esta menina fez por conta e risco comove qualquer um.
Tocou Carlos Rodrigues Brandão que a usou como foto de capa de seu livro a "Educação como Cultura", em sua primeira edição.

 A menina que lia e relia
 andava com a cabeça enfiada no livro
puxando seu búfalo preferido
rumo a plantação de arroz no Vietnã
do pós-guerra lá por 77.


Sabia que precisava superar o tempo terrível de guerras
e que seu saber era importante para sua gente.
Onde andará esta dedicada menina, quase 40 anos depois?
Seria a mesma que foi queimada por bombas de napalm,
seria da mesma aldeia da menina queimada,
e também corria fugindo dos inquisidores do sagrado capital?


Esta menina vietnamita teria se encontrado com a menina que roubava livros?
O que teriam conversado, então?
Talvez sobre as guerras dos homens que queimavam livros e crianças.
Sobre como era bom ler em paz, farta de arroz plantado por ela mesmo,
oferecendo sua tigela fumegante para a menina judia.


Edu Cezimbra
04/12/15