segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Apelo aos vivos


Em tempos cibernéticos
Não há tempo para o mágico
Falta espaço para o estético
Sobra campo para o lógico
Embora rareie o ético
A norma do pedagógico
Tem o poder do midiático

A falácia do progresso
Acaba com o lado étnico
Acobertando o retrocesso
E a ausência do poético
Proporciona o recesso
Do saber peripatético
E uma técnica sem nexo

Para deter o desastre

Urge resgatar as culturas
E os saberes populares
Estes que fazem da arte
Esteio de civilidade
Baseada nos avatares
Da mais pura felicidade!



Porto Alegre, 29 de janeiro de 2018.

Imagem: Pinterest

Edu Cezimbra