terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Poesia!...



XXV

As madrugadas eram frescas
As manhãs ensolaradas
As tardes quentes
As noites estreladas

- Que sublime a poesia!

E as madrugadas geladas dos mendigos?
E as manhãs tenebrosas de Hiroshima?
E as tardes sangrentas em Guernica?
E as noites terríveis do doente terminal?

- Que sombria a poesia...



Edu Cezimbra, "Foi lá por 86"