segunda-feira, 7 de março de 2016

Diário de Barcelona III



No Paseo de Gracía, 92, fica a Casa Milà, mais conhecida pelo nome popular de “La Pedrera”, por ser toda construída com blocos de pedra calcária, que lhe dá um aspecto rochoso.
Chama atenção no edifício as sacadas de ferro imitando motivos vegetais e as chaminés cobertas por mosaicos, a marca registrada de Gaudí, espécie de símbolo da cidade reproduzida nos “recuerdos” das lojas.
 Após o "aperitivo" de La Pedrera fomos de metrô até as proximidades do Park Güell.
Tivemos de subir ladeiras íngremes nas cercanias do parque, felizmente auxiliados por algumas escadas rolantes, mesmo assim a subida nos deixou de língua de fora...
 Mas, a vista de Barcelona dos altos do Park Güell compensou todo o esforço!
Entramos por um acesso lateral e fomos subindo as suas trilhas sinuosas em meio a uma vegetação que combina espécies de deserto a muitas rochas com palmeiras,  árvores e arbustos floridos.


Aos poucos fomos nos encantando com a atmosfera acolhedora criada por Gaudí, que soube conjugar o terreno áspero da colina com passeios, viadutos de pedra e construções integradas com a natureza.
Concertos musicais aconteciam por debaixo das arcadas dos monumentais viadutos de pedra enquanto muita gente circulava pelos variados terraços do parque.
 O Park Güell te convida a flanar, a sentar e degustar as coisas boas e simples da vida, como tomar um café em uma das mesas da pequena lancheria com vista para as construções concebidas pelo gênio de Gaudí e sua amada Barcelona, ao fundo!

Barcelona. 18 de fevereiro de 2016.
Edu Cezimbra