domingo, 13 de novembro de 2016

As linhas do pensamento




Retilíneas ou curvilíneas podem ser as linhas…

Mas quando se pensa em linhas o que vem primeiro à mente? Linhas retas ou linhas curvas? 
 
Fácil de verificar: basta ver as linhas desse texto… retas, assim como são as linhas de um caderno com pauta.

Linhas são associadas inconscientemente a retas, concorda?

E as ‘linhas do pensamento’ seriam retas, correto?

É o que veremos...

Lembrei-me da primeira vinda de Bill Mollison, o ‘pai da permacultura’ a Porto Alegre, 'lá por 88', quando depois de muitas críticas ao sistema político vigente, um militante do PT o chamou de anarquista.

Ao que Mollison respondeu traçando linhas no papel do 'rotafolio'. O anarquista pensa assim: ‘linhas retas’, a natureza age assim: ‘linhas curvas’.

Ouvi de um outro permacultor que o sistema usava golpes de karatê enquanto a permacultura se valia do aikidô.

Um golpe de karatê vai reto - e direto - contra o oponente, já o aikidô faz movimentos curvilíneos, sinuosos, até espiralados, que se vale da força retilínea do golpe de karatê, por assim dizer, para fazer o adversário dançar.

Então, podemos deduzir que uma linha de pensamento pode ser unidirecional como costumam ser as ortodoxias dominantes ou multidirecionais, contemplando muitos pontos de vista, o que é muito mais abrangente, e portanto mais próximas da natureza.

Metáforas, metáforas, disse o poeta Neruda para seu amigo carteiro lhe mostrando o que é a poesia... 
                                                                                                                                                                                                   

                                                                                             Porto Alegre, 13 de novembro de 2016
Edu Cezimbra