domingo, 6 de novembro de 2016

Os novos comentaristas de futebol e política


- Vamos ouvir o torcedor. Seu nome e cidade, o que está achando do jogo, amigo?

- Claudiney, de Morro Redondo. O jogo no primeiro tempo foi muito mais de força do que qualidade técnica devido às condições do gramado. Precisamos mexer no ataque pois fomos pouco agudos no quesito ofensivo e o meio-de-campo tem que jogar mais compactado para dominar o setor. 

Parece mesmo um comentarista de futebol ou técnico, digo, 'professor', não?

Quem ainda escuta futebol no rádio reconhecerá que o comentário do fanático torcedor não foge da realidade das arquibancadas.

Demonstra que, como já disse alguém, "todo brasileiro é um técnico de futebol" e atualmente "um tarimbado comentarista de futebol", digo eu...

Atualmente com o advento das redes sociais na internet apareceu outra figura que também se arroga de comentarista, só que político.

Se entrevistado, o teor de seus comentários seria mais ou menos assim:

- Jacinto Filho, de Pau Fincado. Olha, eu não gosto de política. São todos 'ladrão' e tem que prender todos os petistas e acabar com esses comunistas.

- E a eleição?

- Eu voto nas pessoas, mas não nos petistas, esses que quebraram o Brasil e querem acabar com a família brasileira defendendo 'gay' e bandido e que ensinam comunismo na escola.  

Quem tem estômago e consegue ler esse tipo de comentário sabe que são bastante comuns, infelizmente.

O mais estarrecedor é que esses 'comentaristas políticos' também poderiam emitir suas abalizadas opiniões em qualquer veículo de comunicação brasileiro. seja rádio, TV, jornal ou revista, que não destoariam da linha editorial dessas empresas de 'jornalismo' e de seus asseclas.

E mais, muitos deles são candidatos a um mandato político, e o pior é que muitos estão se elegendo com o discurso fácil de que 'não sou político', 'não tenho estratégia', e todas essas falácias marqueteiras.

A minha dúvida é se teremos maturidade política para mudarmos esse quadro tétrico da política brasileira - algum dia -, que pelo andar da carroça está bem distante...

Para ser sincero,  minha aposta não é nos que estão dentro das instituições formais.

Aposto todas as minhas fichas nos jovens que estão ocupando escolas, universidades e outros espaços aprendendo e nos ensinando novas formas de atuação política.

Vou torcer muito por esse time...


Porto Alegre, 6 de novembro de 2016.

Edu Cezimbra