segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O nascimento da humanidade


Quem diria, nós, seres humanos evoluímos na marra, obrigados pelas mudanças climáticas imprevisíveis e bruscas há mais de um milhão e meio de anos.

Um tal de Homo erectus assim que deu as caras no planeta já teve que partir atrás de novos campos de caça.

Calculam que na impressionante velocidade de um quilômetro por ano sairam da África e logo depois de quinze mil anos já estavam veraneando na Indonésia.

Mas a viagem não foi um passeio, não. Quase estivemos à beira da extinção. Segundo alguns pesquisadores a espécie humana descende de um grupo pequeno, claro que não tão pequeno quanto nos conta a Bíblia (sempre conservadora)...

Inacreditável como aquele macaco nu consegiu se virar com poucos recursos tais como a força de um tigre dente-de-sabre ou a agilidade de um de seus muitos 'primos'.

Agora senta que eu vou te contar a grande vantagem evolutiva desse ser tão frágil: cuidar uns dos outros - tem lógica, não?

Fomos sempre muito sociáveis, diferentemente dos chimpanzés...

Por sermos eretos caminhávamos muito e para caçar corríamos mais ainda, até matar a caça  no cansaço...sério! 

Após essa correria (termo que permanece) voltávamos para o acampamento e em volta de uma fogueira cozinhávamos a carne, contando as proezas do dia, catando os piolhos uns dos outros.

Vira a folhinha, pulemos para nossa época, agora...O que temos? Uma mudança climática imprevisível e brusca, igual às condições que obrigaram a espécie humana a evoluir na marra. 

A brutal diferença é que viramos uma espécie sedentária, obesos e isolados uns dos outros, em que pese sermos bilhões de seres humanos.

Não dá para deixar de lembrar dos neandertais, nessa hora H. Tão humanos quantos nós, mas foram extintos há mais de vinte mil anos por não terem conseguido evoluir diante das mudanças climáticas e 'sociais' do seu tempo...


Porto Alegre, 21 de novembro de 2016.

Foto: Divulgação/ Neanderthal Museum

Edu Cezimbra