sábado, 8 de outubro de 2016

Poetize-se


Poesia não se lê
Em cada verso
Há um vice-verso
Precisa demorar
Namorar o poema
Degustar palavras
Olhar as entrelinhas
Prenhes de sentidos

Poesia não se lê
Não há lógica
Aqui uma licença
Ali uma figura
Espia divertida
A brincar de esconder
Entre a fantasmagoria
De enevoada página

Poesia não se lê
Poema não há
Há sim um poeta
A balbuciar versos
Repetidos sem cansar
Até que de repente
Fica estonteado
Com o giro das palavras

Porto Alegre, 8 de outubro de 2016.

Foto: Monet

Edu Cezimbra