segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Consciência política de uma residente nos EUA


Consciência política

Gladys perguntou a si mesma porque estava tão contente com a queda de Perón: porque era um regime fascista, respondeu consigo mesma, e era necessário lembrar o que Hitler e Mussolini foram capazes de fazer no poder. Gladys ademais estava contente porque sem Perón não havia risco de que fechassem outra vez a importação de revistas de moda e filmes, e sua mãe não teria mais problemas com o serviço doméstico. E a inflação seria detida.

Residente nos EUA

 Quanto ao tema político, Gladys evitou-o mas Alicia o colocou logo que pode, acusou os EUA pelo bloqueio a Cuba: "você está vendo só, mal um país latino-americano quer se governar sozinho e tratam de estrangulá-lo." Gladys respondeu que Cuba era um horror porque faltava tudo. A discussão não se prolongou porque Gladys começou a falar do problema que significava a viuvez de sua mãe."

Foi Brecht que disse, certa vez, como profundo conhecedor da alma humana, que " não há nada mais parecido a um fascista do que um burguês assustado."

Ao ler os parágrafos acima, extraídos de 'The Buenos Aires Affair', romance do escritor argentino Manuel Puig, acrescentei ao medo da citação brechtiana a frustração, o egoísmo e o desejo de ascensão social que Gladys e sua mãe, Clara, expressam em várias passagens do livro.

Foi ao residir nos EUA que o sonho de ser uma artista plástica foi trocado pelo 'sonho americano'.

Com um emprego de secretária bilíngue, preocupada em poupar dólares acabou como uma tipica cidadã do 'país sem nome' (no dizer de François Truffaut), tendo como referências culturais e políticas os filmes hollywoodianos e suas revistas conservadoras.

Para além da frustração, do egoísmo e da pretensão, o que Puig ironiza categoricamente é a falta de consciência política substituída por bordões repetidos sistematicamente pela indústria cinematográfica e mídia corporativa.

O 'The Buenos Aires Affair' trancorre majoritariamente nas décadas de 50 e 60 do século passado, mas apenas com os dois parágros que destaquei o leitor atento pode perceber como é persistente e sedutor esse 'affair'...


Porto Alegre, 31 de outubro de 2016.

Edu Cezimbra