quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Sobre nomes



"Não te confundas com o nome da forma
Nem com a forma do nome." (Antônio Caldaso)

Qual é o teu nome? De que família és? O que teu pai faz?

Quem já não foi submetido a um interrogatório desses? O motivo oculto: descobrir a classe social do interrogado, se isso já não estiver impresso em sua pele.

Condição 'sine qua non' para ser admitido no 'Clube'.

Prática 'aceitável', até vista como 'sociável', tanto que é praticada pela maioria do povo.

Só quem foi 'barrado no baile' sabe de sua função de filtro, pior, de base para a discriminação, segregação e exclusão sociais.

Quem nasceu em cidade pequena sabe muito bem do que trata este interrogatório aparentemente 'inocente'.

Dependendo da resposta estarão fechadas as portas de acesso a melhores condições de vida.

Se pobre ou rico, empregado ou patrão, vai carregar essa condição econômica e social pelo resto de sua vida.

"Ah, esse menino tem nome"...significa que tem posses, futuro assegurado, portas abertas por ser de 'boa família', enfim, "um bom partido"...

Ah, esse é um 'pé-de-chinelo', 'não tem onde cair morto', 'pobre coitado'...sentenciado pelo nome a trabalhos forçados pelo resto de sua sofrida vida...

Mas, atenção, não podem tirar a ilusão dos 'pobres coitados' de que eles podem 'subir na vida', senão arrombam a porta do 'Clube'.

Então, para isso serve a 'meritocracia': permite que alguns poucos 'sem-nome' passem espremidos pela 'peneira' social, econômica e cultural.

Não é por acaso que tantos milhares de jovens pobres da periferia submentam-se insistentemente às 'peneiras' de clubes de futebol de todas as divisões profissionais na esperança de criarem um nome como jogadores de futebol.

Outra maneira rápida e fácil de escapar da 'vala comum' é ter seu nome estampado com fotos em jornal.

O personagem 'Zé Pequeno', do romance 'Cidade de Deus', do escritor Paulo Lins, é arquetípico dessa inflação  inconsciente: pronto, até que enfim, conseguiu aparecer em um jornal, melhor ainda, na TV, agora já pode morrer feliz...

Embora 'Zé Pequeno' tenha 'colegas' entre variados segmentos, nessa busca por ter seu nome destacado a qualquer preço, entre os quais destacam-se políticos, banqueiros, 'socialites' e 'playboys'.

'Te cuida, Zé Pequeno': a concorrência está forte...

Porto Alegre, 20 de outubro de 2016.

Edu Cezimbra