terça-feira, 13 de setembro de 2016

Dilema


Estou com um dilema...
E é grave isso?!
É grave sim. Não sei se quero continuar...
Continue...
Esse é o dilema.
Digo, fale mais...
Ah, tá. Estou pensando em mudar.
Pra onde?
Mudar, mas sem mudar, entende?
Sei...
Quero fazer outra coisa.
Que coisa...
Sabe, outra coisa que me interesse, sei lá...
Ah, isso é muito grave, mesmo. É pior que um dilema, é um problema sem solução.
Ai, não me assusta...
Calma...isso tem jeito! 
Tomara!
Tem que ser um dilema.
Não entendi...
Se tu não sabe o que quer não tem dilema, tem problema sem solução.
Entendi...
Tem mais, para ter dilema, antes precisa ter pelo menos dois caminhos que não vão para o mesmo lugar que já se sabe onde é.
Nossa, isso é demais pra minha pobre cabecinha!
Ótimo, aí sim vai começar a revolução.
Credo...
É revolução no sentido figurado, entenda bem. A tal mudança, mesmo, na real, saca?
Radical, cara...
Isso aí... Não tem dilema nenhum onde não tenha uma encruzilhada. Na encruzilhada é que se muda o rumo.
Estou sem um dilema...


Porto Alegre, 13 de setembro de 2016.

Edu Cezimbra