quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Iessiênin e Maiakóvski: poetas na vida e na morte


          A palavra 
                          é capitã
                                           da força humana.
          Para a frente, andemos
                                               e que o tempo                                                                                                                                                   estoure em bombas.
          Que o vento que sopra
                                                 para os dias passados
           só leve
                          mechas de cabelos misturados.

           Para a alegria  
                                  o nosso planeta 

                                                  ainda está mal preparado.
           É preciso 
                          extorquir
                                         a alegria
                                                       aos dias futuros.
            Nesta vida 
                               morrer não é difícil
            Construir a vida
                            é bem mais difícil. 

Maiakóvski escreveu um poema, do qual transcrevi os últimos e antológicos versos, em honra do poeta Sierguéi Iessiênin, que muito admirava, e que se suicidara, em 1925, em Leningrado, atual São Petersburgo.


Em nota de rodapé, o tradutor Daniel Fresnot conta que "Sierguéi Iessiênin escreveu com seu próprio sangue um poema cujos últimos versos foram traduzidos por":

                               "Morrer não é novidade nesta vida.
                       Mas viver, com certeza, não é mais novo."


Porto Alegre, 28 de setembro de 2016.

Edu Cezimbra